Seguidores

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

FÁTIMA VAI À ASSEMBLEIA NESTA TERÇA-FEIRA PARA LER PRIMEIRA MENSAGEM ANUAL

Durante a mensagem, espera-se que Fátima antecipe o teor dos projetos de lei que sua equipe elabora para recuperar as finanças do Estado.
Fátima Bezerra, governadora do RN

Redação
A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, realiza nesta terça-feira, 5, a leitura de sua primeira mensagem anual à Assembleia Legislativa. O discurso direcionado aos 24 deputados estaduais, empossados na semana passada, será proferido no plenário da Casa em sessão especial a partir das 10h.

Durante a mensagem, espera-se que Fátima antecipe o teor dos projetos de lei que sua equipe elabora para recuperar as finanças do Estado. De acordo com o líder do governo, deputado George Soares (PR), as primeiras matérias devem chegar à Assembleia nesta quarta-feira, 6.

“Espero que a nossa Casa possa dar uma contribuição importante neste momento em que o Rio Grande do Norte se encontra, de crise financeira muito profunda. Aqui é uma casa de debate, mas acredito na aprovação da maioria dos projetos”, afirmou George, que foi eleito 1° vice-presidente da Assembleia no biênio 2019-2020.

Na sexta-feira, 1°, durante a cerimônia de posse dos deputados estaduais, Fátima entregou cópias do projeto em que pede autorização para negociar royalties de petróleo e gás. A governadora quer contratar empréstimos dando como garantia os royalties que o Estado tem a receber apenas entre os anos de 2020 a 2022. A Assembleia já autorizou, ainda durante o governo Robinson Faria, a negociação dos repasses de 2019. O novo governo espera obter cerca de R$ 400 milhões com a operação.

O secretário-chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves Júnior, disse que as medidas enviadas por Fátima para a Assembleia serão na “área fiscal”, mas que não estarão incluídos projetos para aumentar alíquotas tributárias, e sim para “otimizar o sistema de cobrança de impostos”.

“Esperamos muita solidariedade entre os poderes. Já temos sentido isso por parte da bancada. Na reunião que tivemos, o sentimento foi de muita parceria. Os projetos que iremos enviar serão na área fiscal, mas não para aumentar alíquota, e sim no aspecto de otimizar o sistema de cobrança de impostos e negociar ativos”, afirmou Raimundo, acrescentando que o propósito é, entre outros objetivos, combater a sonegação.

MORO LANÇA PACOTE ANTICRIME QUE ISENTA PENA A POLICIAL QUE MATAR EM SERVIÇO

Ministro da Justiça afirma que proposta fortalece o combate à corrupção, aos crimes violentos e à criminalidade organizada, com mudanças em 12 leis e nos códigos Penal e de Execução Penal.

Sergio Moro apresentando projeto a governadores e secretários

Agência Estado

O ministro Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública, apresentou na manhã desta segunda-feira, 4, a governadores e secretários estaduais de segurança de todo o país, a proposta de projeto de lei que elaborou para fortalecer o combate à corrupção, aos crimes violentos e à criminalidade organizada, com mudanças em 12 leis e nos códigos Penal e de Execução Penal. A iniciativa foi antecipada pelo Direto da Fonte, da jornalista Sonia Racy.

Além de pontos que ele já havia mencionado, como a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância e a negociação de penas entre o Ministério Público e criminosos confessos, Moro incluiu uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro, a possibilidade de redução ou mesmo isenção de pena de policiais que causarem morte durante sua atividade.

Pelo texto, a proposta permite ao juiz reduzir a pena até a metade ou deixar de aplicá-la se o excesso decorrer de escusável medo, surpresa ou violenta emoção. As circunstâncias serão avaliadas e, se for o caso, o acusado ficará isento de pena.

A nova redação que o texto propõe no Código Penal para o chamado “excludente de ilicitude” permite que o policial que age para prevenir agressão ou risco de agressão a reféns seja considerado como se atuando em legítima defesa. Pela lei atual, o policial deve aguardar uma ameaça concreta ou o início do crime para então reagir. Para Moro, a proposta pretende diminuir a sensação de insegurança durante atuação policial.

Também há uma proposta de permitir que o juiz coloque em liberdade o acusado que tenha agido em condições de exclusão de ilicitude, desde que ele não seja reincidente ou não estiver envolvido na prática habitual de crimes ou integrar organização criminosa.

O texto, no entanto, não retira a necessidade de investigação, como foi defendido por Bolsonaro.

Moro comentou a proposta durante coletiva de imprensa nesta tarde e disse que “não existe licença para matar”.

“O que a proposta faz é retirar dúvidas de que aquelas situações específicas ali descritas caracterizam a legítima defesa. O agente policial que, em situação de sequestro de refém, toma providência para salvar vítima, é evidente que atua em legítima defesa. Muitas vezes, essa situação não era assim entendida. Nós apenas deixamos claro na lei situações que são pertinentes. Não existe licença para matar. É um projeto consistente com o império da lei, em respeito a direitos fundamentais”, disse Sérgio Moro.

No pacote de propostas, algumas se destinam ao combate das facções criminosas. Uma das mudanças é a que amplia a definição de organização criminosa para incluir grupos que “se valham de modo direto ou indireto do controle sobre a atividade criminal ou sobre a atividade econômica” e cita textualmente facções conhecidas como o Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Vermelho, Família do Norte, Terceiro Comando, Amigos dos Amigos, além de “milícias ou utras associações como localmente denominadas”. Além disso, prevê que líderes de facções iniciem o cumprimento de regime em presídios de segurança máxima.

No Código Eleitoral, Moro propôs uma alteração para incluir como crime o caixa 2. Atualmente, a punição se dá com base em um artigo que trata de falsidade ideológica em eleições. O projeto também considera crime arrecadar, manter, movimentar ou utilizar valores que não tenham sido declarados à Justiça Eleitoral, popularmente chamado de “caixa dois” . Além disso, o texto inclui que tanto doadores de recursos e candidatos e integrantes de partidos e coligações “quando concorrerem de qualquer modo para a prática criminosa”.

Como revelado pelo Estado em dezembro, Moro incluiu também a previsão de o regime inicial fechado para cumprimento da pena de condenados por crimes de corrupção e peculato, roubo a mão armada ou com violência.

Outro ponto é o chamado “confisco alargado”, que é a possibilidade de o Estado tomar os bens de maneira mais ampla, no caso de condenações a penas maiores de 6 anos. A permissão é para confisco correspondente à diferença entre o valor do patrimônio do condenado e aquele que seja compatível com seu rendimento lícito e ele possa comprovar.

O projeto de Moro também prevê o “plea bargain”, como é chamado o acordo entre Ministério Público e investigado que, mediante confissão, permite fixar uma pena sem necessidade de abertura de uma ação penal no judiciário – desde que a punição tenha pena máxima inferior a 4 anos. Crimes de corrupção e roubo, por exemplo, ficam de fora. O objetivo é desafogar o Judiciário. Além disso, o projeto também disciplina a prática de acordos em outros casos, quando já houve recebimento da denúncia.

Após a conversa com governadores, Sérgio Moro apresentou à imprensa o projeto. Em relação à atuação policial, disse que não estava “ampliando a legítima defesa, mas apenas deixando claro que situações do cotidiano caracterizam legítima defesa”.

“O que nós estamos colocando é que legítima defesa já está no Código Penal. Se alguém age em legítima defesa não responde por crime. O que nós colocamos é algo que juízes já fazem na prática. Ele pode reduzir à metade se o excesso ocorrer em situação de medo ou emoção. Um exemplo que ficou famoso foi o agressor de uma atriz famosa, a Ana Hickmann, houve uma reação por parte do parente dela que acabou matando o agressor. Ele foi processado e acabou absolvido”, disse.

O criminalista e professor de Direito Penal do IDP-São Paulo, Conrado Gontijo, criticou essa proposta. “O projeto legislativo apresentado pelo Ministro Sérgio Moro é marcado por inúmeros vícios de técnica legislativa e, além disso, propõe a alteração de institutos já consolidados da ordem jurídica brasileira, de forma absolutamente indevida. Para exemplificar, altera-se o dispositivo do Código Penal que disciplina a legítima defesa, por meio da introdução de disposição absolutamente vaga e que confere, praticamente, salvo conduto para a atuação violenta de agentes policiais. A atividade policial, a depender da interpretação que se dê à norma (e se o intuito do projeto é endurecer o Direito Penal, a tendência é a de que as interpretações dele sejam feitas com essa mesma lógica), será suficiente para que configure situação de legítima defesa. Trata-se de inequívoco absurdo, que legitimará inúmeras ações violentas, que recaem essencialmente sobre a população mais carente.”

Ao menos 12 governadores estiveram na reunião, além de vice-governadores e secretários estaduais de segurança.

Terrorismo. O ministro também vê urgência em projeto de lei que atualiza e endurece regras de combate a criminosos e empresas envolvidos em lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo. De autoria do Executivo, a proposta está em tramitação desde 2018 e precisa ser aprovada, sob risco de o Brasil entrar na “lista negra” de nações não engajadas na prevenção a esses crimes.

Se isso ocorrer, o País pode sofrer sanções econômicas, políticas e diplomáticas de países como Estados Unidos e membros da União Europeia.

“Se o projeto não for aprovado o Brasil será suspenso do Gafi e será desastroso para o ambiente de negócio”, afirmou Moro, ao Estado.

O Gafi é o Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo. Espécie de fórum intergovernamental mundial, com sede da Suíça, ele promove leis e normas globais contra a lavagem de dinheiro. Em 2010, o grupo comunicou o Brasil de suas deficiências na adoção das resoluções do Conselho de Segurança da ONU para combate ao terrorismo.

CASAL É PRESO EM PIUM POR CULTIVAR MAIS DE 100 PÉS DE MACONHA


De acordo com a PM, os suspeitos foram presos, e encaminhados para a Central de Flagrantes; Polícia Civil já está responsável pelo caso para realizar os procedimentos cabíveis.
Polícia flagrou casal cultivando mais de 100 pés de maconha

Emanuel Lacerda
Uma operação do 3º Batalhão da Policia Militar resultou na prisão de um casal na tarde da última segunda-feira, 4, em Pium, município de Parnamirim. Após uma denúncia anônima, a polícia foi acionada e descobriu mais de 100 pés de maconha, além das estufas que eram usadas para cultivar as plantas. Todo o material foi apreendido.

O homem foi identificado como Bruno Paulinho enquanto a esposa não teve a identidade revelada.

De acordo com a PM, os suspeitos foram presos em flagrante e encaminhados para a Central de Flagrantes. A Polícia Civil já está responsável pelo caso para realizar os procedimentos cabíveis.

A PEDRA DO SAPO, SITUADA AS MARGENS DA BR 304, EM FERNANDO PEDROZA, FOI DESCOBERTA POR DONA ROSÁLIA VALE. VAMOS CONTAR A HISTÓRIA:

A imagem pode conter: céu, atividades ao ar livre e natureza

Dona Rosália (in memoriam) em uma das suas vindas a Fernando Pedroza, em uma conversa informal comigo, eu perguntei como foi descoberta a pedra do sapo e assim ela me falou:

Estava em fase de conclusão o Posto de gasolina de sua propriedade, que fica em frente à pedra do sapo, então disse ela, precisei de umas pedras de paralelepípedo e mandei um cortador de pedras aqui de FP, cortar no serrote que hoje é a pedra do sapo. 

Na oportunidade, precisou o cortador dar um fogo. Eu estava sentada em frente ao posto observando o trabalho, quando apos o fogo, verifiquei que o serrote ficou com o formato de um sapo. 

Imediatamente corri ao encontro do cortador de pedras e mandei que ele parasse. E disse: essa pedra vai ser um símbolo de Fernando Pedroza. Quando prestei uma homenagem a Dona Rosália, apos a seu falecimento, escrevendo a sua riquíssima biografia, narrei este fato. 


Amigo Sebastião Rocha, grande radialista de FP, tem toda a razão, a historia verdadeira quem sabe sou eu, o resto é conversa fiada, que não tem conhecimento da historia do lugar. Modéstia a parte.

Por Anilton Souza

RN REGISTRA 75 MIL NOVAS CARTEIRAS DE TRABALHO EM 2018



Carteira de trabalho — Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas                            Carteira de trabalho — Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas
Número divulgado pelo Ministério da economia deixa estado na sexta posição no nordeste. Do total de documentos potiguares, 151 foram para estrangeiros. 
Por G1 RN
O Rio Grande do Norte registrou a emissão de 75.141 carteiras de trabalho ao longo de 2018, segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia. O número representa aproximadamente 1,5% do total do país, no ano passado. Mais de 5 milhões de novas carteiras foram entregues no Brasil.

Dentre as carteiras de trabalho potiguares, 151 são de estrangeiros e 74.990 de brasileiros. Entre os nove estados nordestinos, o Rio Grande do Norte ficou em sexto lugar na quantidade de novos documentos, ficando atrás da Bahia (316.031), do Ceará (198.668), Pernambuco (198.457), Maranhão (167.170) e Paraíba (81.398).

O número de Carteiras de Trabalho e Previdência Social (CTPS) emitidas em 2018 em todo o Brasil foi de 5.084.515 – um aumento de 5% em relação a 2017, quando 4,8 milhões de trabalhadores receberam o documento. Foram 4.999.502 de carteiras para brasileiros e 85.013 para estrangeiros.

São Paulo foi o estado onde houve mais emissões em 2018, com 1,2 milhão de CTPS. Em seguida aparecem os estados de Minas Gerais (501,9 mil), Rio de Janeiro (410 mil), Bahia (316 mil) e Paraná (270 mil)

Como fazer a CTPS

O serviço de emissão da carteira de trabalho está disponível nas unidades da Secretaria de Previdência e Trabalho. Também é possível solicitar o documento em postos criados por meio de parcerias com estados e municípios, em todo o país, como a Central do Cidadão, no RN.

A Carteira de Trabalho e Previdência Social é o documento obrigatório para toda pessoa que presta serviço na indústria, no comércio, na agricultura, na pecuária ou mesmo de natureza doméstica. A CTPS garante o acesso a alguns dos principais direitos trabalhistas, como seguro-desemprego, benefícios previdenciários e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Carteira Digital

O trabalhador também pode contar com a Carteira de Trabalho Digital. Esta versão permite aos trabalhadores terem em mãos, a todo tempo as informações de qualificação civil e dos vínculos trabalhistas. Também é possível solicitar a primeira e a segunda vias da carteira de trabalho física.

Por meio da plataforma digital, o trabalhador ainda passa a ser um agente fiscalizador de todo o processo. Ele pode saber, por exemplo, se a empresa forneceu o vínculo trabalhista e se as informações dadas estão corretas nos sistemas de governo.

Documentos para solicitar a primeira via da carteira de trabalho
Documento oficial de identificação civil que contenha nome do interessado; data, município e estado de nascimento; filiação; nome e número do documento com órgão emissor e data de emissão;
Cadastro de Pessoa Física (CPF);
Comprovante de residência com CEP;
Comprovação obrigatória do estado civil por meio de Certidão de Nascimento (se solteiro) ou Casamento (se casado) – com averbação, se for o caso (se separado, divorciado ou viúvo).
Foto 3x4, com fundo branco, com ou sem data, colorida e recente, que identifique plenamente o solicitante (no caso de emissão de CTPS manual).

Para a segunda via (perda, furto, roubo, continuação, danificação e extravio)

Documento oficial de identificação civil que contenha nome do interessado; data, município e estado de nascimento; filiação; nome e número do documento com órgão emissor e data de emissão;
Cadastro de Pessoa Física (CPF);
Comprovante de residência com CEP;
Comprovação obrigatória do estado civil por meio de Certidão de Nascimento (se solteiro) ou Casamento (se casado). - com averbação, se for o caso (se separado, divorciado ou viúvo).
Documento que comprove o número da via anterior;
Boletim de ocorrência (nos casos de 2ª via por furto, roubo, perda ou extravio);
CTPS inutilizada/danificada (nos casos de 2ª via por inutilização).

PRESO DE JUSTIÇA É MORTO PELO IRMÃO DEVIDO A UM PEDAÇO DE PIZZA

O preso de Justiça Ikaro Renno Elias Chagas, de 21 anos, foi assassinado com uma facada desferida pelo irmão durante a madrugada desta segunda-feira, 4, no bairro Bom Pastor, zona oeste de Mossoró-RN.

Os dois irmãos estavam conversando naturalmente, até que passaram a discutir sobre o que iriam comer, se carne ou pizza. O que deveria ser uma decisão simples, terminou em agressão verbal, posteriormente física e assassinato. Ikaro Renno ainda foi socorrido com vida para o Hospital Regional Tarcísio Maia, mas não resistiu.
O corpo foi removido para exames na sede do Instituto Técnico-científico de Perícia (ITEP), em Mossoró. Ainda na manhã desta segunda-feira, 4, a mãe dos dois foi ouvida na Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa de Mossoró. Amigos também foram ouvidos. O delegado Rafael Arraes, que apura o caso, não tem dúvidas.

Quem matou foi Pedro Renato Elias Chagas. Preso de Justiça Ikaro Renno havia sido preso junto com a namorada em 2016 por assalto no Centro de Mossoró. Autuado em flagrante, ficou preso por um tempo e passou para o regime de prisão vigiada, ou seja, com tornozeleira.(Mossorohoje).

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

UM RETRATO DA SAÚDE BRASILEIRA - UM DESABAFO DE DOIS MÉDICOS



"Direito" à saúde

A área da saúde pode ser — e é! — negativamente influenciada pela interferência das ideologias socialistas e, consequentemente, da intervenção estatal. Este artigo foi escrito por quem está do lado de cá: clinicando, operando e passando por todo o tipo de dificuldades em tentar ser médico em um país onde a pérfida influência comunista, na disfarçada figura da social democracia, já lançou de forma quase que definitiva seus tentáculos.

Talvez devamos iniciar com uma das frases mais ditas nos últimos 30 anos, minuciosamente pensada e formulada pela inteligentsia: "Saúde, um direito de todos". Tal afirmação positiva é uma grande falácia.

Aqui, vale fazer uma recordação sobre as transformações ideológicas e também sobre as palavras que perderam o sentido, e relembrarmos que "direito" se transformou em uma palavra universal nesse nosso mundo dominado por um estado forte que quer cuidar de tudo e a todos prover — ou pelo menos promete isso.

É fundamental conceituar a definição de "bem", que juridicamente significa 'tudo aquilo que pode ser propriedade de alguém'. Ou ainda, tudo o que é 'útil para poder satisfazer a necessidade de alguém'. Economicamente falando, um bem também se caracteriza pela utilidade e escassez, podendo ser assim um bem de consumo (duradouro e não-duradouro).

E é nesse sentido que gostaríamos de classificar agora a saúde ou o acesso à saúde: não como um direito, mas como um bem de consumo como outro qualquer, sobre o qual atuam as regras da oferta e da procura e da livre concorrência. Sobretudo, vale também a regra da livre escolha do consumidor, a qual, em todos os modelos em que foi aplicada, só produziu preços competitivos, desenvolvimento e fartura.

A saúde, ao ser tratada como um direito a ser suprido pelo estado, tem como único resultado um serviço pífio, quando não a escassez completa. Devemos relembrar que, na antiga União Soviética, até mesmo o setor de alimentação foi envolvido nas regulamentações do estado, e o resultado foi a fome, quando não genocídio por inanição.

Mas de onde se originou todo o problema com a saúde brasileira? O que acontece é que temos uma Constituição até certo ponto recente (26 anos), que foi escrita após um longo período de ditadura militar e com uma demanda reprimida muito grande por serviços e melhorias ditas "sociais". O resultado foi uma carta magna que muito promete e pouco realmente pode cumprir. E não só na área da saúde, mas em todas as áreas básicas, como educação e segurança, e até mesmo na infraestrutura.

Vivemos, pois, somente em um ambiente profético, no qual o estado promete mundos e fundos. Para a população, só resta esperar e acreditar que seu novo deus a sustente eternamente, transformando assim o estado em uma abstração com um fim superior.

O serviço público não funciona simplesmente porque recai no mesmo problema da impossibilidade de haver um cálculo econômico sob um sistema socialista, conforme descrito por Mises. A regra se aplica integralmente ao SUS, nosso sistema único ou universal de saúde — na verdade um simulacro de sistema de saúde.

Como em todos os serviços públicos, o estado, essa figura amorfa, detém um comando centralizado sobre o sistema, atuando como um líder supremo cujas ordens são sempre ditadas de forma vertical (sempre de cima para baixo), desconsiderando o tamanho do país envolvido e ignorando as variáveis econômicas e culturais de cada região. Esse sistema funciona com burocracia extrema — que é aquilo que faz o estado ser o estado —, e cujos burocratas têm como figura suprema o político.

A mentalidade de ter o SUS como algo acima de todos os sistemas de saúde é percebida no profissional de saúde: a maioria destes ainda prefere a estabilidade pública. Já não é tão incomum colegas não se arriscarem mais na vida privada. Alguns, inclusive, já estão investindo cada vez mais em concursos públicos. Ainda não temos um grupo de "concurseiros profissionais" no meio médico simplesmente porque, em nosso país, nem mesmo os concursos públicos para a área de saúde são frequentes (em comparação com a área jurídica).

Culpa da nossa criação

E por que os médicos e outros profissionais da saúde têm essa visão tão estatizada de suas profissões e até de suas vidas? Primeiramente, a própria criação em nosso país já gera automaticamente uma atitude de crença em um estado provedor e ao qual todos devem recorrer em momentos de crise. No entanto, ao entrarem em uma faculdade de medicina, essa visão é amplificada, pois lhes é inculcada a ideia de que o SUS — e somente ele — tem de ser, a partir daquele momento, o seu guia, sendo todas as outras possibilidades de atuação fora do SUS vistas apenas como formas alternativas.

Tudo se inicia com uma visão de total abnegação da medicina, sendo o médico um ser altruísta por natureza e com necessidades extremamente limitadas. É fato que a profissão médica, em última instância, é uma atividade que requer cuidados triplicados quando comparada a outras atividades profissionais, pois lida com vidas. A atenção e o desprendimento pessoal são imprescindíveis. Os médicos sabem disso e os pacientes também sabem disso. Mas o estado não quer saber disso.

Para o burocrata, o médico realmente é uma figura franciscana e que concorda plenamente em realizar um altruísmo forçado (mesmo em ambientes profissionais sucateados). E, como a maioria dos profissionais tem essa ideia martelada desde o primeiro ano de faculdade, o SUS vai se mantendo "aos trancos e barrancos". Como diria um famoso político brasileiro há alguns anos: "Médico é igual sal: branco, barato e encontra-se em qualquer lugar", o que quer dizer que somos mercadoria pouco escassa e que, como seres altruístas naturais, iremos aceitar qualquer remuneração e trabalhar de qualquer maneira, pois nossa crença de que o SUS deva continuar existindo — intocável — é nossa premissa universal e verdadeira.

Vale alertar que a educação médica encontra-se cada vez mais centrada em uma visão "social" deturpada por anos de doutrinação ideológica (Gramsci agradece). Umas das várias provas disso é a disseminação da medicina de família ou PSF (Programa de Saúde da Família), que, entre outras coisas, prega uma visão totalmente generalista da formação médica, visão essa que é tida como superior à formação de especialidades.

O PSF originou-se de uma visão de medicina socializada aos moldes cubanos, e nos foi vendida como sendo o modelo-padrão de medicina do tipo preventiva (a verdade é que é apenas um subtipo desse tipo de medicina), a qual deveria ser estimulada, praticada e principalmente implementada em todos os municípios de nosso país.

Com o PSF, a atenção primária seria a mais importante e resolutiva, pois, a partir do pleno funcionamento do modelo, o número de doentes no sistema secundário e terciário de saúde diminuiria drasticamente. É óbvio que esse tipo de modelo (um tanto quanto romântico) jamais funcionou como deveria.

Além do incontornável problema da escassez de recursos, o PSF não funciona pelo simples motivo de que o setor terciário foi e sempre será aquele que realmente resolve o problema. Afinal, em uma cultura como a nossa, na qual prevenção ainda é algo distante, o paciente sempre irá procurar pelo melhor e ir atrás daquilo que realmente produz resultados definitivos.

Foi Adam Smith quem declarou que a divisão do trabalho representa o divisor de águas entre um sistema de baixa produtividade e um de alta produtividade e excelência. A divisão do trabalho constitui o cerne da produtividade econômica e visa ao aumento da abundância de bens e serviços. E foi David Ricardo quem formulou a lei da associação para demonstrar quais são as consequências da divisão do trabalho quando um grupo de indivíduos coopera com outro grupo de indivíduos, mesmo que um deles seja menos eficiente em todos os aspectos. A colaboração dos mais talentosos e capazes com aqueles que são menos talentosos e capazes resulta em benefício para ambos e os ganhos assim obtidos são recíprocos.

A especialização médica deve, portanto, seguir a mesma lógica de qualquer outra produção de bens, em que as diferentes especialidades médicas constituem novas etapas intermediárias na cadeia de produção do bem 'saúde'.

No entanto, a medicina socializada, ao acabar com as especializações, visa justamente à abolição desta divisão do trabalho. Abolir a divisão do trabalho no meio médico — ou seja, as especializações — sempre foi algo bem óbvio na visão marxista. A imagem do médico generalista, abnegado, agindo como um beato de casa em casa, e se tornando o grande "Pai da comunidade" e um grande benfeitor completa a agenda socialista em questão.

Outra importante forma de desanimar o estudante de medicina a seguir uma subespecialização é o método de ensino empregado por algumas faculdades. Esse novo método retira a obrigatoriedade das cadeiras básicas do curso de medicina (anatomia, histologia, clínica médica, cirurgia geral etc.), estando essas agora diluídas. Consequentemente, acaba também com a presença dos professores titulares de cada uma dessas cadeiras. As aulas agora são ministradas por tutores (que não precisam ser obrigatoriamente médicos). O que temos não são mais aulas e sim grupos de estudo nos quais o aluno agora aprende a "pensar por si mesmo", interpretando textos. O professor (oops, o tutor) não pode nada, e pouco fala ou explica.

Esse modelo é completamente inspirado nas chamadas escolas experimentais dos anos 1970, que eram influenciadas pelas teorias pedagógicas construtivistas, as quais tinham suas bases calcadas no construtivismo estético russo. Ou seja, sua origem e ideologia são comunistas.

Por não haver agora um mestre como baluarte, alguém a ser seguido como exemplo de eficiência e sucesso profissional (quantos médicos resolveram fazer determinadas subespecialidades espelhando-se em seus professores titulares?), temos um crescente estímulo para o médico generalista.

Por fim, vale lembrar que, para tal método novo ser implementado em determinadas faculdades, houve uma voluptuosa contribuição financeira do governo para a instituição interessada; um tipo de incentivo dado pelo Ministério da Educação à instituição que quisesse experimentar esse novo método. Seria isso um tipo de capitalismo de estado (ou mercantilismo) no meio da educação? Deixemos a pergunta no ar.

Código de Ética

O código de ética profissional do profissional médico é um capítulo à parte. Além de dar suporte a um sistema calcado na gratuidade e em supostos direitos a uma saúde universalizada, ele também age como um bloqueio às ações de mercado (ou seja, ações em que, por meio de trocas voluntárias, consumidores e prestadores de serviço encontram a melhor maneira de resolver seus problemas). Principalmente, ele rechaça a ideia de saúde como um bem ou serviço.

O código já se inicia em seu primeiro termo dizendo: "A medicina é uma profissão a serviço do ser humano e da coletividade...". O termo aqui usado, "coletividade", poderia muito bem ser substituído por "de todos", mas isso não enfatizaria o real significado embutido na palavra. Ao insistir nessa expressão, deixa-se claro que os médicos não são indivíduos dotados de livre escolha, mas sim membros de uma comunidade gregária com algum tipo de consciência social. Em vez da livre escolha, há somente o determinismo e a obrigatoriedade de se submeter somente a um tipo de serviço.

Essa visão do coletivo também é corroborada no item que diz: "O médico será solidário com os movimentos de defesa da dignidade profissional..". Ou seja, de forma coerciva, praticamente obriga o médico a participar de todo e qualquer tipo de "movimento", mesmo que esse não seja do agrado ou da concordância do profissional em questão.

Nesse ponto, lembremos dos movimentos arquitetados por líderes sindicais, que também existem no meio médico. Teríamos nós que dar apoio a esse tipo de movimento? Vale lembrar que, embora a contribuição sindical via CRM não seja obrigatória (só faltava!), há uma multa pelo não comparecimento à eleição do CRM. Isso é imoral e, acima de tudo, autoritário. Nesse quesito, o CRM se iguala ao governo, que obriga o cidadão a comparecer à "Festa da Democracia", mesmo que seja à base de força. Trata-se de um claro desrespeito à noção de liberdade individual.

Um dos textos mais cruéis e autoritários do Código de Ética encontra-se no capítulo XII, recentemente criado e que diz respeito à publicidade médica. Para resumir, ele proíbe a participação ou divulgação de qualquer tipo de assunto médico em meios de comunicação de massa. Mais ainda: ainda veda ao profissional a participação em propagandas de qualquer tipo.

Proibir a autopromoção e a divulgação séria e correta de seus serviços é algo absurdo que tem por objetivo transformar o médico em uma figura economicamente estéril. O mais irônico é que propagandas do SUS que exaltam como ele está "mudando a cara da saúde em nosso país" não param de ser marteladas diariamente nos mesmos meios de comunicação de massa vedados aos médicos. E tudo isso financiado com o seu e com o meu dinheiro.

Por outro lado, outros conselhos, como o de odontologia, não coagem seus profissionais e estes estão liberados para realizar propagandas — ou será que ninguém nunca viu em uma propaganda de determinada pasta ou escova de dente a corroboração de um profissional dentista incluindo seu nome e CRO? Isso é válido, salutar e respeitoso para com o profissional. Se o medo do CRM é propaganda enganosa ou exagerada, deixe que a justiça comum cuide do caso. Só não tirem nossa liberdade.

Planos de saúde

Qual seria a saída para a arapuca armada pelo estado (denominada SUS)? Como tentar uma forma de livre mercado na área de saúde?

A resposta mais fácil seria recorrer à medicina privada na forma de planos e seguros de saúde, chamados em nosso país de "saúde suplementar". No entanto, esse ou qualquer outro sistema complementar de saúde em que se tentam aplicar as simples leis de mercado encontram sérias barreiras burocráticas, principalmente na forma de interferência estatal.

O motivo para isto é simples: também no sistema privado de saúde encontramos o chamado capitalismo de estado, em que as grandes operadoras de plano e de seguros de saúde foram cartelizadas pelo governo. Há poucos planos de saúde, e os que existem estão associados ao governo em um esquema de ajuda mútua na qual o consumidor e o prestador de serviço final sempre sairão perdendo.

De um lado, o estado cria entraves e barreiras burocráticas na forma de rígidas leis, obrigando as operadoras a realizarem aquilo que o governo quer. Em contrapartida, o estado também cria barreiras protecionistas contra a entrada de novos planos de saúde, garantindo uma reserva de mercado para essas operadoras. Como consequência deste arranjo, as operadoras têm uma lucrativa reserva de mercado, o governo tem um amplo controle sobre o mercado, e a relação médico-paciente passa a inexistir.

Se ao menos a entrada de planos de saúde no mercado fosse liberada, isso aumentaria sobremaneira a concorrência, consequentemente fazendo o preço das mensalidades e dos serviços baixarem.

Mas há um complicador adicional. Da mesma forma que governo opera em conluio com os planos de saúde — o que a princípio ajuda as operadoras —, ele também finge estar atendendo aos anseios dos consumidores: é cada vez maior o número de decretos e processos jurídicos obrigando os planos a incluir exames, procedimentos e a liberarem consultas, aumentando coercivamente o leque de cobertura dos planos. Essa regulação extrema aumenta os custos dos planos e faz com que menos recursos (profissionais e equipamentos) sejam alocados para os locais necessários. Consequentemente, os planos começam também a cortar gastos, gerando uma escassez desnecessária e fazendo deles o novo SUS.

Ou seja, uma regulação (proibição da concorrência) gera problemas (aumento dos preços dos planos) que são "solucionados" por meio de novas intervenções (obrigatoriedade de novas coberturas), o que gera aumento de custos e escassez.

A impressão que dá é que o governo faz um jogo duplo: de um lado, incentiva os planos de saúde cartelizados com o intuito de "aliviar" o já abarrotado SUS; de outro, não deixa os planos crescerem muito, sempre aumentando os custos destes, talvez com medo da migração dos profissionais de saúde do setor público para o privado.

Nem mesmo as cooperativas médicas conseguem escapar das amarras do estado. O que em princípio seria um meio de os médicos trabalharem de forma livre e dentro dos preceitos de qualquer cooperativa (adesão voluntária, gestão democrática e participação econômica dos membros), e de alguma maneira conseguirem se autoadministrar, não se concretiza. Aqui também o governo — com sua burocracia extrema, protecionismo, mandatos judiciais e autoritarismo da ANS (que perde em força talvez somente para a ANVISA) — entra com sua mão pesada, retirando o já rarefeito ar e sufocando de vez também as cooperativas.

Conclusão

Nossos médicos são inculcados desde a faculdade a serem agentes do estado e "instrumentos da coletividade", a saúde pública não tem como funcionar, e a saúde privada não pode ser considerada como tal, pois não é regida pelas leis de mercado. Tampouco ela é tratada realmente como um bem de consumo a ser suprido por instrumentos econômicos legítimos, como livre concorrência e leis da oferta e procura, medida essa que, no longo prazo, faria com que os serviços melhorassem sobremaneira para ambos os lados.

O futuro da medicina no nosso país é aziago, a não ser que comecemos a reescrevê-lo a partir de já. Nesse sentido, é fundamental que enxerguemos o que não se vê, e passemos, médicos e não médicos, a compreender o que significa saúde pública: um estado de mal-estar social.


www.mises.org.br

NO RN, HOMEM É PRESO NA BR-101 COM R$ 50 MIL EM DINHEIRO SEM COMPROVAÇÃO DE ORIGEM

Prisão foi feita pela PRF durante uma fiscalização de rotina. O motorista ainda apresentava sinais de que estava sob efeito de drogas.
Por G1 RN

Dinheiro foi encontrado dentro do carro, em uma sacola de plástico — Foto: PRF/Divulgação
   Dinheiro foi encontrado dentro do carro, em uma sacola de plástico — Foto: PRF/Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal prendeu na manhã deste domingo (3), no km 114 da BR-101, na comunidade de Taborda, em São José de Mipibu, na Grande Natal, o condutor de um Fiat Uno que aparentava estar sob efeito de drogas e que transportava R$ 50 mil sem comprovação de origem. O dinheiro foi apreendido.

Durante a abordagem, os policiais sentiram um odor muito forte de maconha, vindo de dentro do veículo. Na sequência da fiscalização, foi encontrada dentro do carro, em uma sacola de plástico, a quantia de R$ 50 mil em espécie.
Questionado sobre a origem do dinheiro, o suspeito não apresentou nenhuma comprovação.

Diante dos fatos, foi dada voz de prisão e feita a condução do homem à Delegacia de Plantão da Zona Sul, em Natal. Lá, foi constatado que ele já tinha sido preso, em 2016, por tráfico de droga e por porte ilegal de arma de fogo.

Após a prisão, equipes da PRF e da Polícia Militar foram até o endereço de residência do suspeito, onde foi encontrada uma caminhonete Toro com placa clonada e com registro de roubo.

Foram apreendidas ainda 6,3 gramas de cocaína, 20,4 gramas de maconha, nove munições calibre 380 e onze munições de revólver calibre 38.


HOMEM CONDENADO POR TENTAR MATAR ESPOSA NO RN É PRESO EM BELÉM, NA PARAÍBA

Acusado tentou matar esposa com faca peixeira. Ele foi abordado pela PM, que percebeu a existência de um mandado de prisão.

Por G1 PB


Homem condenado por tentar matar esposa foi preso na Paraíba — Foto: PMPB/Divulgação
Homem condenado por tentar matar esposa foi preso na Paraíba — Foto: PMPB/Divulgação

Um homem condenado a dez anos e oito meses de prisão por tentar matar a esposa na cidade de Brejinho, no Rio Grande do Norte, foi preso na cidade de Belém, no Agreste da Paraíba, neste fim de semana. O acusado, que tem 33 anos de idade, foi abordado pela Polícia Militar que, ao realizar uma consulta no seu nome, constatou que havia contra ele um mandado de prisão expedido pela Comarca de Monte Alegre, também no Rio Grande do Norte. A prisão aconteceu no sábado (2).

Ao receber voz de prisão, ele mesmo confessou aos policiais que o mandado seria decorrente de uma agressão na sua ex-companheira com faca peixeira, no ano de 2013. No último domingo (27), na praia de Búzios, em Natal, ele também teria agredido um sargento da Polícia Militar do Rio Grande do Norte por ciúme da atual companheira.

A pena, de acordo com o mandado expedido pela Justiça, deve ser cumprida em regime fechado. Ele foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil.

RIO GRANDE DO NORTE

SUSPEITO DE TENTAR ESTUPRAR MENINAS É MORTO PELA PM APÓS RESISTIR À PRISÃO E CORTAR COLETES E FARDAS DE POLICIAIS

Pai das garotas flagrou a tentativa de abuso sexual e chamou a polícia. Caso foi em Campo Grande.
Por Osvaldo Nóbrega, TV Morena

Bombeiros e polícia no local onde o suspeito foi morto — Foto: Osvaldo Nóbrega/TV MorenaBombeiros e polícia no local onde o suspeito foi morto — Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena

Um homem de 42 anos, suspeito de tentar estuprar duas meninas, foi morto a tiros pela Polícia Militar (PM) na manhã desta segunda-feira (4), no bairro Taquarussu, em Campo Grande. Segundo a polícia, ele resistiu à prisão e ainda cortou coletes e fardas de policiais que tentavam contê-lo.

De acordo com a PM, as duas irmãs e mais outras meninas brincavam no corredor da vila de casas onde elas e o suspeito moram. Em um determinado momento, o pai, um sargento aposentado do Exército, viu o homem tentando estuprar as duas filhas dele e chamou a polícia.

Conforme a PM, João Marcos da Silva Araújo resistiu à abordagem, estava armado com uma faca, enfrentou os policiais e cortou coletes e fardas deles. Os militares então deram dois tiros de borracha e mesmo assim o suspeito não se entregou.

Ele ameaçou pegar uma arma de fogo e foi então atingido por dois tiros de pistola ponto 40 no peito. O Corpo de Bombeiros e o Samu foram chamados, mas o homem não resistiu e morreu no local.

MULHER VAI À DELEGACIA DENUNCIAR SUPOSTO SEQUESTRO DE FILHA E É PRESA SUSPEITA DE LATROCÍNIO COMETIDO EM 2002

Delegada suspeitou de denúncia ao ouvir relato de homem que 'resgatou' criança de 4 anos que estava em situação de vulnerabilidade. Menina ficou menos de 24h desaparecida.
Por G1 AM

Mulher é suspeita de ter cometido latrocínio em 2002 — Foto: Eliana Nascimento/G1 Amazonas
                  Mulher é suspeita de ter cometido latrocínio em 2002 — Foto: Eliana Nascimento/G1 Amazonas

Uma mulher, de 35 anos, foi presa neste domingo (3), em Manaus, por cumprimento de um mandado de prisão preventiva de um latrocínio ocorrido em 2002. Ela estava na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) para registrar um suposto sequestro de sua filha - que já foi encontrada -, quando a delegada de plantão descobriu seu histórico e deu voz de prisão.

Marinéia Rodrigues da Rocha foi à delegacia denunciar que sua filha, de 4 anos, tinha sido vítima de um sequestro. A criança, segundo versão inicial da mãe, tinha sido abduzida na noite de sábado. Na manhã do dia seguinte um homem a entregou à delegacia especializada. Ao ouvir as versões tanto da mãe quanto do homem que diz ter resgatado a menina, a delegada suspeitou da mulher.
O homem que encontrou a criança contou à polícia que viu a mãe sob efeito de bebidas alcoólicas na noite de sábado (2), na Avenida Torquato Tapajós, sem condições de cuidar da filha. Ele, então, a resgatou.

"No domingo, por volta de 9h, compareceu aqui na Depca uma pessoa entregando a criança e relatando que essa criança estaria em uma situação de vulnerabilidade na rua, à noite. Ele disse que viu a mãe extremamente bêbada e a criança correndo risco de ser atropelada. Com isso, ele pegou a criança, levou para casa e passou fez fotos para divulgar que teria encontrado uma criança de quatro anos", disse a delegada titular da Depca, Joyce Coelho
Sem onde saber onde a filha estava, a mulher divulgou o desaparecimento e foi até a delegacia. Ao ouvir as versões divergentes do caso, a delegacia fez busca pelo nome da mãe e encontrou o mandato de prisão em aberto por um latrocínio cometido em 2002.

O latrocínio

"Ela foi denunciada em 2011, por um latrocínio ocorrido em 2002. Na hora da averiguação, constatamos que havia dois mandados em aberto no nome dela. Constatando a validade desses mandados, eles foram cumpridos e ela foi recolhida", explicou a delegada.

A mulher teria teria esfaqueado e roubado um homem. Como Marinéia nunca se apresentou à polícia, ela era dada como foragida.

"Ela estava numa festa e teria se envolvido em uma confusão com um homem, que culminou numa facada no pescoço dele. Em seguida, ela acabou roubando seus pertences, como celular, dinheiro e o relógio", afirmou a delegada.

Questionada sobre a acusação, a suspeita informou que houve a discussão, mas que não cometeu o crime. Em relação ao desaparecimento da filha, ela relatou que teria desmaiado na rua e alguém sequestrou a menina.

Marinéia foi indiciada por latrocínio. Após os procedimentos cabíveis, ela será encaminhada ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF).

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

BANDIDOS USAM NOME DO DIRETOR DA CAERN PARA APLICAR GOLPE PELO WHATSAPP

Golpista tem falado com empresários usando o aplicativo de mensagens para pedir dinheiro.

Por G1 RN
Roberto Linhares é diretor da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte — Foto: Arthur Barbalho/G1
Roberto Linhares é diretor da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte — Foto: Arthur Barbalho/G1


Estelionatários estão usando nome do diretor presidente eleito da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), Roberto Linhares, para tentar aplicar golpes e extorquir empresários. A informação foi confirmada pela própria Caern. Entre as pessoas que estão sendo alvos da tentativa de golpe estão donos de empresas com contratos vigentes na Companhia.

O golpista tem realizado tentativas usando o aplicativo de mensagens WhatsApp para pedir dinheiro, informando uma conta bancária para depósito. A Caern alerta que as pessoas devem desconsiderar qualquer tipo de mensagem desta natureza e informar o ocorrido para a ouvidoria da Companhia, através do telefone 3232-4562.

Quando soube da situação, o diretor Roberto Linhares registrou um Boletim de Ocorrências e a Polícia Civil abriu um inquérito para apurar o caso.

GOVERNADORA SANCIONA LEI QUE INSTITUI COTAS E ARGUMENTO DE INCLUSÃO REGIONAL NA

Novo sistema de cotas será implantado nos próximos processos seletivos da universidade.
Por G1 RN

A governadora Fátima Bezerra sancionou a lei que institui cotas étnico-raciais e argumento de inclusão regional na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). A sanção foi publicada no Diário Oficial desta quinta (31).

A lei preserva também a cota social (50%) e a cota para pessoa com deficiência (5%), já praticadas pela instituição. Com a sanção da lei, o novo sistema de cotas já será implantado nos próximos processos seletivos da universidade.

A proposta da lei foi elaborada pela Administração Central da universidade, e encaminhada ao deputado federal, Fernando Mineiro (PT), que a apresentou na Assembleia Legislativa, onde foi aprovada por unanimidade. De lá seguiu para sanção da governadora.
Universidade Estadual do Rio Grande do Norte — Foto: Divulgação/UERN

OPERAÇÃO DE COMBATE AO TRÁFICO DE DROGAS NO RN APREENDE MAIS DE R$ 100 MIL

Operação 'Sal da Terra' foi deflagrada nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (31) na Grande Natal e municípios da região salineira.

Por G1 RN

Operação Sal da Terra apreendeu mais de R$ 100 mil — Foto: Polícia Civil do RN/Divulgação
Operação Sal da Terra apreendeu mais de R$ 100 mil — Foto: Polícia Civil do RN/Divulgação

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte deflagrou nesta quinta-feira (31) uma operação denominada 'Sal da Terra', cujo objetivo foi o cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão contra integrantes de uma facção criminosa que atuam no tráfico de drogas no estado. Mais de R$ 100 mil foram apreendidos e pelo menos 21 pessoas foram presas.

Os mandados foram cumpridos na Grande Natal, e em quatro cidades da região salineira do estado: Pendências, Alto do Rodrigues, Macau e Guamaré.

Cerca de 200 policiais civis e militares participaram da ação, que também contou com o apoio de agentes penitenciários.

Além do dinheiro, armas e drogas também foram apreendidas.

BANDIDOS AMARRAM COFRE EM CAMINHONETE, ARRANCAM DO CHÃO E ARRASTAM PELA BR-101 NA GRANDE NATAL

Criminosos invadiram posto de combustíveis em Parnamirim para roubar o cofre.
Por Kleber Teixeira, Inter TV Cabugi

Bandidos arrancaram cofre, prenderam a uma caminhonete e arrastaram pela BR-101, em Parnamirim — Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi
Bandidos arrancaram cofre, prenderam a uma caminhonete e arrastaram pela BR-101, em Parnamirim — Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

Três criminosos invadiram um posto de combustíveis em Parnamirim, Grande Natal, renderam os frentistas, amarraram um cabo de aço no cofre do estabelecimento e saíram arrastando com uma caminhonete. Mais à frente, os bandidos abandonaram o cofre sem levar nada. O crime aconteceu por volta das 3h desta quinta-feira (31).

De acordo com a polícia, eram três homens. Eles chegaram em uma caminhonete Triton preta e, armados, renderam os frentistas logo após anunciar o assalto. Depois disso, foram até o cofre onde é depositado o apurado do posto e o amarraram no carro com o cabo de aço, para arrancar do chão, onde ficava preso por uma base cimentada.

Os assaltantes seguiram arrastando o cofre pela BR-101, porém, mais à frente, a estrutura se desprendeu e caiu na pista. Os homens fugiram sem levar nada.

BRUMADINHO:AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE O ROMPIMENTO DE BARRAGEM DA VALE

Tropas israelenses deixam o Brasil após ajuda em buscas, mas bombeiros ainda procuram 259 desaparecidos. Mortes confirmadas chegam a 99. Siga as últimas notícias

Brumadinho notícias ao vivo
As buscas em Brumadinho pelas vítimas soterradas sob a lama depois do rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Vale, na Mina Feijão, continuam nesta quinta-feira, 31 de janeiro. Último balanço oficial confirmou 99 mortes, mas os bombeiros ainda procuram por 259 pessoas que continuam desaparecidas desde a última sexta-feira, 25, quando ocorreu a tragédia. A barragem 1 da Vale devastou a região conhecida como Vila Ferteco, zona rural do município, e além das mortes provocadas, deixou um rastro de destruição. Várias casas, pousadas e sítios foram soterrados pela lama, que agora avança pelo rio Paraopeba (um dos afluentes do rio São Francisco), matando animais e causando estragos ambientais considerados tão graves quanto os do desastre de Mariana(2015). É o segundo desastre com uma barragem da Vale no Estado. A Empresa diz que vai por fim a represas como a de Brumadinho em dez locais.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE ANGICOS TEM NOVO SECRETÁRIO

                (Foto: Reprodução do Diário Oficial) 


A vereadora licenciada e Secretária de Saúde do Município de Angicos, indicou seu primo/irmão Lindiclécio de Macêdo Alves, para responder efetivamente pela Secretaria Municipal de Administração, outrora ocupada interinamente pela Chefe de Gabinete da Prefeitura, Dra Manuela Rodrigues. O recém  nomeado Secretário estava anteriormente como Tesoureiro, foi exonerado para assumir a nova Pasta.

O Nepotismo é uma prática comum entre os políticos para acomodar parentes em gabinetes e/ou nas instituições públicas, mas foi abolido nos últimos anos pela Câmara Federal. Já em Angicos, acumulam-se denúncias dessas praticas, pois a medida não foi adotada.

Senhores leitores desse modesto Blog: vocês ainda têm dúvida de que quem manda na Prefeitura de Angicos é a atual Secretária de Saúde? Aguardemos pois!

GATO É APREENDIDO COM DROGAS E CARREGADORES DE CELULAR AO TENTAR ENTRAR EM PRESÍDIO NA PB



Um gato foi apreendido com drogas e carregadores de celular ao tentar entrar no Complexo Penitenciário Serrotão , na noite deste domingo (27). O animal foi encontrado por um agente penitenciário em frente ao portão da penitenciária.
Com o gato foi encontrado 120 gramas de substância semelhante à maconha e cinco cabos de carregador de celular, que estavam amarrados por fita ao redor do seu corpo.
A Polícia não sabe informar quem iria receber o material ou quem envio. O caso segue sendo investigado.


Com Click PB

BELEZAS DE TIBAU DO SUL SÃO DESTAQUES NA MAIOR FEIRA DE TURISMO DA EUROPA

Governo Municipal de Tibau do Sul tem investido constantemente na participação em diversos eventos na área e na promoção dos destinos da cidade


A secretária de Turismo de Tibau do Sul, Elizabeth Bauchwitz, é quem está representando o município, ao lado da Secretária de Turismo do RN, Ana Maria

Os atrativos turísticos do município de Tibau do Sul estão presentes em mais uma feira internacional voltada para o setor, desta vez, a Vakantibeurs 2019, em Utrech, na Holanda. Reconhecida como a maior e mais completo evento de turismo europeu, a feira segue até o próximo domingo (13) e oportuniza a troca de experiências e promoção dos destinos.

O Governo Municipal de Tibau do Sul tem investido constantemente na participação em diversos eventos na área e na promoção dos destinos turísticos da cidade. Para o prefeito Modesto Macedo a divulgação de Tibau do Sul tem garantido bons resultados, suscitando o contato de agentes e operadoras do setor do mundo inteiro, ampliando e fortalecendo o turismo de Tibau do Sul dentro e fora do Brasil.

“Desde do início de nossa gestão temos concentrado esforços para divulgar nossos atrativos turísticos de maneira profissional. Um trabalho sério que tem alcançado resultados significativos e refletido positivamente na economia e geração de emprego em nossa cidade. Mais uma vez, Tibau do Sul participa de uma das mais importante feiras de turismo do mercado europeu, o que possibilita que turistas de todo mundo conheça as potencialidades que nosso município tem a oferecer. Tudo isso é fruto de boas parcerias público-privado que temos empreendido. Através da taxa de turismo, paga pelos visitantes dos nosso município, estamos conseguindo captar recursos para investimentos e participação de Tibau do Sul em eventos e feiras internacionais. Juntos, estamos fortalecendo o setor e desenvolvendo melhor o potencial turístico de Tibau do Sul”, destacou o prefeito.

A secretária de Turismo de Tibau do Sul, Elizabeth Bauchwitz, é quem está representando o município no stand da delegação potiguar, capitaneado pela Setur/RN e ABIH-RN. Além dela, a secretária de turismo do Rio Grande do Norte, Ana Maria Costa, o presidente da ABIH, José Odécio, o prefeito de Natal, Álvaro Dias, o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz; o ex secretário estadual de Turismo e hoteleiro Ruy Gaspar; o diretor da ABIH-RN, Manuel Andrade; o prefeito de Maxaranguape, Luiz Eduardo compõem a comitiva potiguar.

Agora RN

ROMU PRENDE FORAGIDO DA JUSTIÇA EM POUSADA DE MOSSORÓ

Segundo informações, os agentes realizavam patrulhamento de rotina quando visualizaram um indivíduo trafegando numa motocicleta em atitude suspeita, e resolveram realizar uma abordagem.

Francisco Leonardo Morais da Silva, conhecido como 'Neguin', era foragido da Justiça

Redação

Um foragido da Justiça foi preso no final da manhã do último domingo, 27, por uma equipe da Ronda Ostensiva Municipal (Romu), da Guarda Civil Municipal, no Conjunto Pousada dos Thermas, na região do Abolição IV, em Mossoró.

Segundo informações, os agentes realizavam patrulhamento de rotina quando visualizaram um indivíduo trafegando numa motocicleta em atitude suspeita, e resolveram realizar uma abordagem.

Após realizada a abordagem, foi constatado que exista um mandado de prisão pelo crime de roubo contra o suspeito, Francisco Leonardo Morais da Silva, conhecido como “Neguin”, de 27 anos, morador do Conjunto Resistência. Após a prisão, ele foi direcionado para que os procedimentos legais pudessem ser feitos.


Agora RN